Solo e Calagem

O milho possui baixa tolerância a baixo pH (<5,0) no solo, quando a toxidez por alumínio reduz o desenvolvimento radicular e a toxidez por manganês reduz o desenvolvimento vegetal. O pH ideal é em torno de 6 – 7,2. Quando o pH do solo cai para menos de 5,5, também ocorre diminuição na disponibilidade de cálcio, potássio, magnésio e molibdênio.

Image Lime and Gypsum

Por meio do uso de calcário, para aumentar o pH do solo, e gesso agrícola, para melhorar a estrutura do solo e saturação por cálcio, há incremento na produtividade (Figura 2). O enxofre do gesso se complexa com alumínio, reduzindo a sua toxidez para as plantas.

O pH do solo também afeta a atividade de herbicidas triazinas, os quais podem fornecer um controle completo de plantas daninhas onde seu uso é permitido. Esses herbicidas são mais eficientes quando o pH do solo está entre 5,8 e 6,5.

O milho é menos tolerante à salinidade após a germinação quando comparado a outros cereais ou à alfafa. Embora o milho consiga germinar em condições salinas, o crescimento inicial de raízes e parte aérea é restrito. Uma CE de aproximadamente 8,8 mS/cm reduz a produtividade de alfafa em torno de 50%. Uma perda equivalente de produtividade em milho ocorre com CE de 3,9 mS/cm.

Análise de Solo

A análise de solo é usada para fornecer informações iniciais básicas para um programa de adubação – particularmente como um indicador de exigências de potássio e fósforo e para avaliar nitrogênio mineral disponível no solo para recomendações de adubação nitrogenada. É também usada para avaliar o pH do solo, e os teores de matéria orgânica do solo.

Análises de Tecido Foliar

As análises de tecido foliar são importantes para confirmar que o balanço entre elementos em um programa de adubação esteja sendo eficiente para maximizar a produção vegetal. As análises foliares também podem confirmar sintomas visíveis de deficiência, revelam deficiências invisíveis (onde os sintomas visuais ainda não estão presentes) e também mostram quando ocorrem concentrações excessivas de alguns nutrientes, o que pode prejudicar outros nutrientes – ex., muito fósforo e baixo suprimento de zinco.

• No estágio de emergência – quando a planta tem menos que 30 cm de altura, deve-se amostrar a planta inteira, cortando a 2 cm do solo – em uma amostra contendo 15-20 plantas. 

• Antes do pendoamento, deve-se amostrar a última folha completamente expandida, em uma amostra obtida de 20-25 plantas.

Table Leaf Nutrient Optimum Range

• Do pendoamento até a formação de espigas, deve-se retirar a folha imediatamente oposta e abaixo da espiga, também coletando em torno de 20-25 plantas. A Tabela 8 fornece faixas de interpretação de teores de nutrientes para cada estágio de desenvolvimento até o florescimento: Essas figuras são orientações e podem variar de acordo com a variedade, assim como pesquisas locais.