Estratégias de aplicação para o algodão

O algodão deve ser semeado quando a temperatura do solo estiver acima de 18°C.

A semeadura é normalmente em fileiras e a densidade de plantio depende do espaçamento das fileiras e do espaçamento entre as plantas na fileira. Exemplos de densidades:

  • 000 plantas/ha (Índia),
  • 000 - 67.500 plantas/ha (China/Rio Amarelo e Rio Yangtze)
  • 000 - 150.000 plantas/ha (Norte da China, estação curta)
  • 000 - 90.000 plantas/ha (EUA)
  • 000 – 200.000 plantas/ha (Brasil) e
  • de 100.000 (Egito, tradicional) a
  • 000 plantas/ha (intensivo, recomendado).

A necessidade nutricional do algodão está diretamente relacionada ao acúmulo de matéria seca, determinado pelos suprimentos de água e nutrientes, temperatura e radiação. No mês mais quente do período de crescimento, a absorção é maior do que durante os meses mais frios. Uma redistribuição adequada de nutrientes das partes vegetativas às reprodutivas da planta é um componente importante da nutrição do algodoeiro, sobretudo em relação ao N e P. 

A raiz primária profunda do algodoeiro é capaz de alcançar nutrientes móveis no solo, como o nitrogênio nítrico, a uma maior profundidade do que outras plantas. O algodão também pode armazenar nitrogênio nas folhas durante os períodos de suficiência para uso posterior durante o período de formação dos capulhos. O nitrogênio é um nutriente importante para o desenvolvimento de todos os órgãos da planta, já que faz parte das proteínas da planta. A maior parte do N é absorvida após a primeira floração e os picos são de 2 a 3,5 kg/ha/dia durante a frutificação. De 10 a 20% das necessidades totais de N da cultura devem ser fornecidas à planta antes da floração, o restante deve estar disponível durante o período de desenvolvimento dos capulhos. As aplicações fracionadas melhoram a possibilidade de atender às necessidades da cultura quando necessário.

O potássio é um nutriente de grande importância para a cultura do algodão. Este tem efeito direto nas propriedades das fibras, isto é, o índice Micronaire (medida da finura e maturidade da fibra), o comprimento e a resistência, além de ser um componente em sistemas de enzimas. Pode reduzir a incidência e a gravidade de doenças relacionadas à murcha e aumentar a eficiência no uso da água. O potássio é muito importante para a manutenção da pressão da água dentro dos capulhos para o alongamento das fibras, o que indica que existe um aumento nas necessidades de K no período quando esse alongamento ocorre. Setenta por cento da absorção de K ocorre após a primeira floração e os picos de absorção, em cerca de 2 a 3,5 kg/ha/dia.

A escassez de potássio reduz a qualidade e a produtividade das fibras, resultando em plantas mais suscetíveis à seca e às doenças. As aplicações pré-plantio podem ajudar a evitar deficiências, assim como corrigir aplicações foliares durante a estação de crescimento. A aplicação no solo deve ser a base do manejo de K na cultura. As necessidades reais devem ser avaliadas com os testes de tecido e solo.

Os benefícios nutricionais de um esquema mais adequado de nutrição são, em geral, associados a um período prolongado de formação do capulho. Esse efeito, às vezes confundido com um atraso na maturidade, deve ser considerado como uma prevenção de uma redução no período de formação.