Soluções para culturas

Citros

Princípios agronômicos

O objetivo de qualquer produtor é a obtenção de altas produtividades e qualidade do produto que correspondam com as necessidades do público consumidor. Existe um grande número de fatores agronômicos que podem influenciar tais objetivos. Muitos deles podem ser controlados pelos produtores.

Zona Climática

Trópicos

A cultura do citros apresenta bom desenvolvimento em regiões tropicais. Laranjas doces se proliferam em tais regiões, mas a casca dos frutos permanece verde-pálido e não desenvolve a cor laranja característica devido à falta de temperaturas mais baixas em períodos próximos da colheita. As laranjas-doces tem um ciclo constante de florescimento e frutificação, o que torna mais difícil distinguir frutos maduro de imaturos. A queda de frutos ao longo da safra é um problema com laranjas doces cultivadas nos trópicos.

A cultura da toranja é extremamente restrita aos trópicos. Limões também são limitados às regiões tropicais e aos subtrópicos úmidos e quentes.

Subtrópicos

Em climas subtropicais com verões quentes e úmidos e invernos amenos, frutos grandes, doces, com alta quantidade e qualidade de suco são produzidos. Isso os torna ideais para processamento ou consumo in natura.

Laranjas doces e tangerinas são cultivadas predominantemente em regiões subtropicais. Ponkans também se desenvolvem melhor em climas subtropicais de clima mais ameno.

Semitrópicos e Mediterrâneos

Em climas semitropicais e mediterrâneos, os frutos de citros apresentem a cor de casca mais brilhante e de textura mais suave, além de uma ótima mistura de açúcar e acidez para a produção de frutos in natura. Laranjas navel e laranjas de sangue, além de alguns tipos de limões, são predominantemente restritos aos climas mediterrâneos.

 A casca de laranjas maduras permanece verde-amarelada em climas tropicais.

A casca de laranjas maduras torna-se laranja-claro em climas mediterrâneos.

O crescimento individual do fruto e o tamanho que esse fruto adquire depende muito da saúde e vigor das folhas mais próximas ao fruto. Quanto mais vigorosa a folha maior é a produção de açúcares para encher os frutos.

Para conseguir uma boa produção é importante folhas bem espaçadas, abundantes e bem iluminadas. Com base na árvore inteira, a melhor relação folha/flores para laranja é em torno de 60:1 e em torno de 25:1 em Ponkans.

Irrigação e manejo nutricional auxilia o desenvolvimento das folhas, porém podas e desbastes normalmente são necessários para assegurar boas relações entre folhas, flores e frutos, permitindo a penetração de ar e luz pela árvore. 

Em plantas não podadas, o crescimento dos frutos verdes localizados no interior da árvore é mais lento que os localizados na parte 

externa da copa. Em adição, o tamanho potencial do fruto é definido no fim da frutificação e antes da expansão celular. Sendo assim, é importante que a manipulação do formato da árvore seja realizada antes desse período.

Produtivas e equilibradas

A poda tem o objetivo de assegurar que os nutrientes estejam disponíveis para um número ideal de frutos bem posicionados. Ramos longos, finos, com poucas folhas e originados do interior da árvore devem ser removidos na poda. Esses ramos normalmente produzem frutos 15% menores e com 40% a menos em peso do que em galhos fortes e com grande volume de folhas. A poda também proporciona maior fluxo de luz e ar no interior da árvore.

O uso de fito hormônios e bio estimulantes podem ser utilizados no período vegetativo para aumentar  o potencial produtivo das plantas cítricas.

Após um estímulo adequado, as plantas necessitam de um correto manejo nutricional para obter todos os benefícios e gerar plantas produtivas e equilibradas.

Tipo de Solo e Manejo

Plantas de citros são cultivadas em diversos tipos de solos, variando de solos arenosos a argilosos com diferentes capacidades de armazenamento de água, condições de drenagem e necessidades de irrigação.

O solo ideal para a cultura do citros é bem estruturado, com boa drenagem que permita adequada aeração de raízes, para minimizar problemas de doenças radiculares.

A cultura do citros possui um sistema radicular raso, que se concentra abaixo do dossel vegetal da planta. As raízes das plantas são facilmente destruídas pelo preparo ou devido ao manejo inadequado da água.

O crescimento radicular ocorre quando as temperaturas do solo variam entre 12 e 35°C, sendo que o crescimento mais intenso ocorre quando as temperaturas do solo estão entre 25 e 30°C.

Solos com baixo teor de matéria orgânica são frequentemente pobres em nutrientes, principalmente nitrogênio e enxofre. Um baixo conteúdo de matéria orgânica pode também causar impacto na estrutura do solo. Em solos compactados, a aeração pode ser restrita, afetando assim o desenvolvimento radicular, extração de nutrientes e o desenvolvimento da cultura em geral.

Os níveis de matéria orgânica podem ser melhorados por meio de aplicação de resíduos orgânicos, ou pelo uso de plantas de cobertura leguminosas, ou principalmente, gramíneas.

Essa prática – com os resíduos sendo deixados como cobertura – pode também ajudar a melhorar a estrutura do solo, capacidade de armazenamento de água e controlar a temperatura do solo.

A cultura do citros prefere solos bem drenados com pH de 5,5 a 7,0 e baixa salinidade. A produtividades podem ser reduzidas pela metade quando o pH atinge valor 4,5.

O pH dos solos podem variar entre 4,5 e 9,0 e isso tem grande impacto na disponibilidade dos nutrientes. Valores extremos de pH do solo devem ser ajustados quando possível.

Em valores baixos de pH, as plantas podem ser prejudicadas pela toxicidade de alumínio e outros metais tóxicos, assim como pela restrição na disponibilidade de P. Quando os valores de pH estão acima de 7,5, a disponibilidade de alguns nutrientes é reduzida, principalmente fósforo e micronutrientes, até mesmo quando há altos teores totais desses nutrientes no solo.

A calagem pode corrigir valores de pH baixos e indesejáveis. Calcários dolomíticos adicionam Mg no solo. Durante períodos de pleno crescimento, mesmo solos corrigidos ricos em Ca podem não suprir quantidades suficientes de Ca de acordo com as demandas das plantas. 

Em situações onde o pH do solo é muito alto ou muito baixo, resultando em “bloqueamento” dos nutrientes (frequentemente micronutrientes) no solo, a aplicação foliar desses nutrientes assegura uma rápida resposta das plantas, prevenindo assim restrições ao crescimento.

aumentando ph solo

Disponibilidade de nutrientes

Porta-enxerto

Os porta-enxertos diferem em sensibilidade para condições específicas, como acidez do solo, estresse hídrico/salino e doenças. Eles também influenciam a extração de nutrientes, assim como o tamanho e qualidade dos frutos do enxerto selecionado. Não existe um porta-enxerto perfeito. Por exemplo, um porta-enxerto vigoroso como o “limão-rugoso” é altamente suscetível à geadas.

Porta-enxertos de “laranja-azeda” são adequados para solos salinos e alcalinos (Texas); “limão-rugoso” tem excelente tolerância a seca (África/Austrália); Poncirus trifoliata é bem adaptado a climas mais frios e solos ácidos (Japão), etc. Diversos porta-enxertos podem ser usados em um pomar de citros para combinar com os diferentes tipos de solo ou declividade e aspecto. Orientação local é essencial para assegurar que o melhor porta-enxerto seja escolhido para um determinado ambiente. A seleção do porta-enxerto adequado às condições de solo e clima é fundamental para uma boa produção de citros.

Manejo da Água

O manejo correto da água é um fator crítico para obtenção de altas produtividades, uma vez que o citros é muito sensível ao estresse hídrico. A irrigação é essencial em regiões áridas e semi-áridas, sendo uma prática cada vez mais comum nos trópicos e subtrópicos úmidos. Por outro lado, um encharcamento de menos que três dias, em condições de altas temperaturas, pode resultar em perecimento de raízes e perda de folhas de maneira significativa.

Plantas de citros em solos mal drenados – incluindo solos arenosos rasos – possuem poucas folhas, são atrofiadas e pouco produtivas. Nessas condições, Phytophtora spp e Pythium spp podem se desenvolver em tais níveis que podem causar morte de mudas e pomares jovens.

Phytophtora pode também ser um problema em pomares maduros, causando um lento declínio no vigor das plantas. Em geral, plantas maduras de citros requerem de 300-1000mm de água por ano para repor todo o volume perdido na evapotranspiração. Quantidades menores de água são aplicadas em tangerinas precoces e quantidades maiores são aplicadas para limões e laranjas tardias.

A quantidade de água varia de acordo com o clima. Em clima mediterrâneo, a quantidade de água varia entre 300-750mm e em climas tropicais, o intervalo é de 500-1000mm. O uso da irrigação deve ter o objetivo de assegurar que os déficits de umidade do solo locais não sejam excedidos. Não se deve permitir que os solos permaneçam com menos da metade da sua capacidade de armazenamento de água.

Em solos salinos, a irrigação é necessária para lixiviar sais acumulados e minimizar o estresse salino por meio de frequentes irrigações. Cuidados são necessários quando a água utilizada possui propriedades calcárias ou alto pH, pois isso pode afetar a extração de nutrientes. A acidificação da água pode ajudar nessas situações.

A fertirrigação fornece nutrientes dentro de uma “zona úmida” e as raízes extraem os nutrientes nessa área restrita. Através do suprimento constante de água e nutrientes nessas zonas, a eficiência de nutrientes é aumentada.

Sprinklers fornecem água e nutrientes

Proteção das Plantas

A competição com ervas daninhas é o fator mais significativo em árvores jovens e o controle normalmente envolve o uso de herbicidas. O uso de roçadoras e cultivadores (desde que não ocorra danos às raízes) também é feito. Os problemas com pragas incluem ácaros, pulgões, larvas-minadoras, outros insetos e nematoides, os quais se alimentam de raízes, troncos, folhas e frutos de citros. Muitos precisam ser controlados por meio do uso de pesticidas quando as populações atingem níveis de dano econômico.

Os ácaros das gemas, da falsa ferrugem e da leprose podem danificar frutos, tripes podem causar lesões na casca e a mosca das frutas se alimenta da polpa dos frutos. Colchonilhas também reduzem eficiência foliar e prejudicam a aparência de frutos. Portanto, um controle eficiente de pragas é particularmente importante para minimizar a deterioração de diversas características de qualidade.

Bactérias, fungos e vírus podem afetar significativamente a produtividade e a qualidade. A maioria das podridões de pós-colheita são causadas por infestação de fungos e muitos outros tipos de fungos causam manchas nos frutos. Doenças virais já foram responsáveis por perdas severas de plantas em épocas anteriores.

Red scale reduz a competitividade no mercado

As larvas das moscas danificam a casca e causam amadurecimento desigual