Aumentando o Índice de Queda de Hagberg


Índice de queda de Hagberg

O Índice de Queda de Hagberg é a medida de uma enzima específica, alfa-amilase. Essa enzima ataca as moléculas de amido, quebrando-as em açúcares que produzem os gases que geram os bolsões de ar que fornecem uma boa estrutura em bolos e pães. Os níveis de alfa amilase precisam ser baixos com a finalidade de limitar a quebra de amido e a viscosidade da massa. Um alto Índice de queda é um indicador de baixa atividade de alfa-amilase e portanto presença de proteínas que conferem boa panificação.

Nutrição das Plantas e Índice de Queda de Hagberg

Um índice de queda consistente poderá ser atingido quando a cultura possui um amadurecimento uniforme e quando a colheita não sofre atrasos devido ao acamamento. Os princípios agronômicos que contribuem para evitar tais problemas são o uso de doses ótimas de nutrientes, e pelo uso de técnicas de agricultura de precisão para o manejo do suprimento de nitrogênio do solo. Entre os principais nutrientes, nitrogênio e potássio são fundamentais para obtenção de culturas uniformes e resistentes ao acamamento.

Nitrogênio

Nitrogênio

Aplicação excessiva de N resultará em aumento no período de amadurecimento e em aumento no acamamento. A época de aplicação e a dose de nitrogênio também podem ter influência no acamamento. Altas doses de N no início do ciclo causam aumento no número de afilhos, o que leva a dosséis muito grandes que são altamente suscetíveis ao acamamento. Em culturas de trigo de inverno bem estabelecidas, a primeira aplicação de N não deve superar 25% do suprimento total de N.

Potássio

O potássio auxilia o desenvolvimento de paredes celulares mais fortes, e consequentemente na resistência das plantas. Sendo assim, baixos níveis de potássio aumentam o risco de acamamento das plantas. Plantas de trigo acamadas criam condições ideais para a germinação dos grãos, iniciando o crescimento na própria espiga, resultando em menor Índice de Queda e redução na qualidade para moagem.