Evolução Histórica da Cultura do Trigo


Evolução Histórica

O trigo é a principal fonte de alimento para milhões de pessoas, sendo um dos três cereais produzidos globalmente (Milho e Cevada são os outros dois). Embora o arroz seja o segundo cereal mais produzido no mundo, a sua produção é situada no Oriente e Ásia ocidental.  
O cultivo de trigo iniciou há 10000 anos atrás, sendo que sua origem é vinculada com a região sudeste da Turquia. Foi primeiramente chamado Einkorn (T monococcum) e é descrito geneticamente como diploide, contendo dois pares de cromossomos. Ao mesmo tempo, trigo Emmer (Triticum dicoccum) foi sendo domesticado. 

Posteriormente houve um desenvolvimento genético, e o Emmer foi um híbrido natural entre duas gramas selvagens – Triticum urartu (diretamente relacionado com einkorn selvagem (T. boeoticum), e uma espécie de Aegilops. Ambos eram diploides, o que significa que o trigo gerado é um tetraploide, ou seja, possui quatro pares de cromossomos. Trigo Durum é também um tetraploide que se desenvolveu por meio de hibridação natural, como foi feito com trigo Emmer. Ao longo dos anos, os produtores continuaram a selecionar plantar nas lavouras de trigo que mostravam características favoráveis – facilidade de colheita, produtividade, etc. Então, novas variedades de trigo começaram a dominar as plantações.  

O trigo vermelho e o trigo comum para pão se tornaram os tipos mais favorecidos. Esses dois tipos foram novamente o resultado de uma hibridação natural entre o trigo Emmer e a grama selvagem Aegilops tauschii. Essa hibridação transformou o tetraploide em um hexaploide, dessa vez contendo seis pares de cromossomos (42 cromossomos), sendo de certa forma diferente aos 14 em espécies originais. Esse desenvolvimento genético “natural”, embora tenha sido altamente bem-sucedido, tem levado muitos anos, de maneira que a biotecnologia está agora explorando as formas que o manejo genético possa ser feito mais rapidamente e com mais eficiência, usando manipulação genética bem segmentada.